Deserto

Deserto

Quem nunca deixou

pegadas na areia?

Quem não sentiu

o pé no chão queimar?

Nesse deserto

toda alma vadeia.

Quem nunca teve

grão vil no olhar?

 

Tudo já se feriu,

todos andaram em deserto.

Quem nunca sentiu

a dor mansa de perto?

Oh, quem nunca se riu

ao ver que nada dá certo?

Riu e a lágrima caiu,

doce, em olhar aberto.

 

Tolos… todos andaram

querendo um vau,

fresco e calmo,

sem pedras no fundo.

Como o deserto

é imparcial,

todos… tolos andaram

ali, nesse mundo.

Escrito por

Anderson C. Sandes

7 Artigos

Poeta, autor de Baseado em Fardos Reais, organizador da Antologia “Quando Tudo Transborda”. Graduado em Pedagogia.
Ver todos artigos

6 comentários em “Deserto”

  1. Nem sempre se alcança a profundidade de uma poesia como esta, pela incapacidade do leitor e me incluo entre estes.
    Mas ainda com limitação, é possível identificar o belo.

  2. Parabéns pela iniciativa de publicar poesia. Muito linda. O PHVox se consolidando como alternativa à antiga mídia.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *