Youtube aplica de forma ilegal nova censura ao canal momento conservador

Apesar da existência de uma liminar judicial determinando o imediato
reestabelecimento do Canal “Momento Conservador”, o YouTube não apenas
desobedeceu a ordem judicial como nos aplicou nova suspensão, em razão dos mesmos fatos.

Parece que falar o nome de alguns remédios é um crime gravíssimo.
(Sabem o que é impressionante? Se procurarem no Google os termos “Maconha
cura câncer” e “pedras energéticas curam câncer”, acharão uma série de vídeos que, não apenas não estão censurados como, pasmem, estão monetizados.

Mas não podemos falar o nome de um remédio usado, com sucesso, há mais de
70 anos! Não podemos falar o nome de um vermífugo que ajuda a combater a proliferação do SARSCOV no organismo.
Aliás, esse vermífugo é usado de forma profilática em todo continente africano
e…voilà…os países africanos têm, como regra geral, baixíssimos índices de
contaminação (1)

Bem amiguinhos, como dizia o saudoso Sobral Pinto (um dos maiores Advogados
que o Brasil já teve), Advogar não é para covardes. E eu, Paulo Papini e meus “parceiros” no canal podemos ter vários defeitos na vida, mas, covardia seguramente não é um deles. Como já disse alhures, não é um gordo-espinhudo-de-uma-big-tech
que vai nos dizer o que podemos, ou não, falar.(2)

Informamos ao Magistrado da 41ª Vara Cível do Foro Central o abuso cometido
e a multa foi elevada a R$ 5.000,00 por dia. Citamos abaixo a (última) decisão judicial
proferida no processo(3)

“Vistos. 1-) Fls. 60/68: Conforme os printscreens juntados, o
Google removeu um vídeo publicado pelo autor anteontem,
25.05.21, e não bastasse, ainda proibiu o canal do autor de fazer
novas transmissões ao vivo, agora pelo prazo de 14 dias. Segundo
o Google, Seu conteúdo foi removido por causa de uma violação
das diretrizes da comunidade, por ter supostamente contido
spams, práticas enganosas e golpes. Pois bem. Enreda-se o autor
em uma espiral de mordaça. Pelas razões já expostas na decisão
deferitória da liminar, que fica mantida, malgrado ainda não
cumprida, amplio-a para determinar que o Google: 1-) devolva
incontinenti ao ar o vídeo censurado (A Pandemia e o Lockdown
não acabarão tão cedo); 2-) abstenha-se de proibir as lives do
autor; 3-) restaure à normalidade todas as funcionalidades do
canal. Prazo: 24 (vinte e quatro) horas, contadas a partir da
intimação da presente, sob pena de multa que elevo, a partir de
agora, para R$ 5.000,00 por dia de descumprimento (…).”

Desnecessário dizer que o YouTube continua a ignorar a decisão judicial em
questão! A pergunta é: Vocês, do Canal Momento Conservador, se dobrarão? A resposta é um enfático e peremptório NÃO!

Detalhe, na próxima infração que cometermos, nossocanal será BANIDO da plataforma!

Continuaremos, exatamente, com a mesma, a mesma linha editorial no Canal.
Eventuais novas suspensões e/ou o banimento do canal apenas e tão-somente farão
aumentar a multa. Com efeito, não temos medo de entrar na briga. Ao contrário, gostamos dela. Vejo um grande problema naqueles que querem encolher-se nos seus cantos para não provocara fera. Esta é, a nosso ver, uma péssima estratégia.

O que aconteceu com os Canais Momento Conservador, Endireitando o Brasil,
Fabiana Barroso, PHVOX, Terça-Livre, dentre outros, é uma amostra grátis daquilo que enfrentaremos no ano que vem.
Ah, deixa eu explicar, não seremos – nós conservadores – caçados(4)
e banidosapenas do YouTube e das redes sociais, o que é, em si, gravíssimo, inominável. Leram meu artigo da semana passada? Então, o UBER começará a excluir clientes racistas (e de acordo com a empresa, todo homem branco é/foi ou será racista um dia) de sua base de usuários.

Amigos, quanto tempo vocês acham até que sejamos banidos de serviços como
Gmail, Netflix, Amazon e outros? Ora, se é razoável excluir alguém racista, não seria entãorazoável – e justificável, quiçá desejável – banir-se digitalmente pessoas que colocam emrisco centenas de milhares de vidas, pregando o uso de remédios ineficazes? A resposta é óbvia!

Infelizmente, encolher-se sob os lençóis e torcer para que sejamos esquecidos não
será uma opção. Aliás, mesmo que o fosse; que alternativa seria essa? A de viver com medo? Brigado, mas não queremos. Chegamos aos nossos 50 anos de vida sem nos dobrarmos a ninguém, salvo ao Nosso Senhor Jesus Cristo, se – para defender a verdade – tivermos que virar párias digitais(5) , se formos reduzidos ao estado de mendicância, esse é um ônus a ser suportado.

O fato, querido leitor, é que se um dia nessa vida você fez uma postagem
defendendo Bolsonaro, Trump ou alguns medicamentos específicos, saiba que um alvo já está desenhado sobre suas costas.

Acovardando-se, ou não, você será cassado e transformado num mendigo digital.
Até mesmo porque, com o great reset que se planeja para o mundo – e que já está em
marcha –, os recursos financeiros serão, drasticamente, reduzidos; logo, a população terá que ser reduzida também.

Em suma, seremos todos caçados (e, mais uma vez, o cedilha é proposital). Na
verdade o ato de acompanhar o Terça-Livre, PHVOX, Momento Conservador, dentre
outros, já foi o bastante para marcar um alvo sobre nossas testas(6)
.
Ah, não adianta desinscreverem-se desses canais, ok. Já fomos marcados pelo
algoritmo. O sistema tenciona eliminar 800.000.000 de pessoas (pelo menos, vide palestra de Bill Gates no TedTalks), as pessoas a serem eliminadas já estão marcadas, manobras evasivas para que sejamos esquecidos serão – simplesmente – inúteis a quem já produziu, leu, compartilhou conteúdo conservador.

Particularmente, se minha única opção é a confrontação (e meu único recurso para
travar o combate é a palavra e o Direito) a resposta, já está dada. Só nos resta, em nome do Canal Momento Conservador, continuarmos – incansavelmente – nessa luta. Tenham fé, não tenham medo(7) perseverem. Dias sombrios se abaterão sobre nós. Acredito que, ao fim, a Verdade prevalecerá.
Idem velle, idem nolle8
.
Paulo Antonio Papini, Advogado, Professor Universitário. Mestre em Direito
Processual pela Universidade Autónoma de Lisboa.

1 Para termos uma ideia. A Etiópia, com 110 milhões de habitantes teve, até este momento, 4165 mortos; A Nigéria, com 201 milhões, teve 2100 mortos; A Somália, com 15 milhões, teve 769 mortos; Serra Leoa, com 8 milhões, teve 3155 mortos; Angola, com 31 milhões, teve 3550 óbitos de COVID-19; Moçambique, com a população aproximadamente igual à de Angola, o mesmo número de óbitos de Angola. Temos uma pergunta a levantar em relação ao continente africano: por que os países mais falidos têm menor número proporcional de óbitos que os dos mais estruturados. Vejam o caso de Angola e Moçambique. Ambos tem
aproximadamente a mesma população e o mesmo número de óbitos por COVID-19. Ocorre que Angola tem uma renda per capta de US$ 3100,00 anuais, ao passo a de Moçambique é de US$ 580,00. Não seria razoável que um país mais pobre, e carente em recursos materiais, como Moçambique apresentasse um
número maior de mortes que Angola? Tentaremos, ainda, responder essa pergunta através de um artigo.

2 Só uma pequena observação, quando eu falo em gordo-espinhudo estou em meu “lugar de fala”, ok, visto
que estou 30kgs acima do meu peso ideal (uma outra forma de ver isso é que estou no peso ideal, para
alguém com 2m e 40cm.)

3 Processo número 1044476-68.2021.8.26.0100, 41ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo

4 O cedilha é proposital, ok.
5 E acredito aqui falar pelo Dr. Marcio Engelberg e pelo Dr. Guillermo Federico Piacesi Ramos

6 Aliás, receio, sinceramente, pelos Magistrados que, neste momento, têm a coragem de manifestarem-se
contrariamente àquilo que deseja o establishment.
7 Não ter medo é impossível, ok. Há um lado meu que está apavorado com o caminho que resolvi trilhar.
Agora, se é impossível não ter medo, é totalmente viável controla-lo, administra-lo.
8 “Os iguais se atraem”. Gosto de traduzir, do latim, livremente como: “amigo não é o que aparta a briga;
amigo, é o que chega dando a voadora”