Estamos realizando melhorias, em breve nossos artigos estarão disponíveis novamente.

Trump realiza sonho de Ronald Reagan

Trump realiza sonho de Ronald Reagan
Trump realiza sonho de Ronald Reagan

No último sábado, 15 de agosto, o secretário de estado americano Mike Pompeo esteve em Varsóvia para assinar um acordo histórico de cooperação militar entre os Estados Unidos e a Polônia.

Atualmente, 4.500 soldados americanos já estão em solo polonês, porém o contingente deve aumentar até o fim de 2020; pelo menos mais 1.000 soldados de imediato. Para o primeiro semestre de 2021, mais 5.600 soldados devem deixar a base atual na Alemanha em direção à Polônia.

Porém, a grande novidade não é o aumento de tropas americanas no país, mas sim o investimento que os Estados Unidos irão realizar na Polônia. Bases militares, aeroportos, infraestrutura para treinamento e integração dos exércitos e até um centro de inteligência devem ser construídos com início das obras já para 2021. A Polônia vai arcar com os custos de manutenção além de, obviamente, ceder o terreno.

Andrzej Duda, o reeleito presidente polonês, celebrava: “Este acordo beneficia a segurança da Polônia e de outros países na região”, disse ele, com um sorriso de orelha a orelha. De fato, um antigo sonho de Ronald Reagan foi realizado no ato da assinatura do tratado. Reagan sempre quis levar a presença militar americana o mais longe possível em direção ao leste europeu, mas seu sucessor, George Bush, não compartilhava a mesma visão.

Em 2005, seu filho George W. Bush até tentou articular uma base na Polônia, mas Vladimir Putin disse que não (basicamente foi isso que aconteceu), e ainda no mesmo ano tivemos, na Alemanha, outro fato importante: a eleição de Angela Merkel. As tropas que deveriam ir para a Polônia acabaram “estacionando” na Alemanha, onde, desde 1945, os Estados Unidos mantêm uma relevante presença militar. Na ocasião, o governo alemão assumiu um compromisso de pagar pela “proteção” americana, porém, há 15 anos (desde a eleição de Merkel) Berlim paga somente a metade do combinado.

Em junho deste ano, Donald Trump, durante seu último comício no Estado do Oklahoma, alertou Angela Merkel que iria retirar as tropas caso a Alemanha não ela pagasse os valores devidos. Merkel ignorou o aviso, e como Trump tem o vício de cumprir o que diz, tão somente Andrzej Duda confirmou a sua reeleição na Polônia (12 de julho), o presidente americano não pensou duas vezes, e em pouco mais de um mês o acordo entre americanos e poloneses foi celebrado.

Uma vitória importante da diplomacia americana que finalmente, pela primeira vez desde 1945, consegue penetrar naquela que foi a “Cortina de Ferro”.

Para Vladimir Putin, não restou outra alternativa exceto avançar sobre a Bielorrússia, país que está exatamente entre a Polônia e a Rússia, e praticamente forçar o atual presidente, Aleksandr Lukashenko, a aceitar uma proposta de ajuda política e militar para que este permanecesse no poder.

Importante ressaltar que a Suécia também celebrou o mesmo acordo. O país escandinavo vem apoiando todas as decisões da Polônia desde o início da crise política na Bielorrússia, pois no atual contexto, apoiar a Polônia significa apoiar os Estados Unidos.

A reeleição de Duda foi crucial para o avanço americano no leste europeu e uma reeleição de Donald Trump em novembro próximo será decisiva para a consolidação da presença yankee nas barras da Cortina de ferro 2.0

Ivan Kleber é correspondente internacional e apresentador do PHVox no Reino Unido.