E O CONSERVADORISMO NA EUROPA?

Desde a minha estreia no PHVox, no dia 26 de fevereiro deste ano, o que o público brasileiro mais me pergunta, disparadamente, é: “Como vai o conservadorismo na Europa?”

Até abril ou maio, a resposta era basicamente a mesma: com exceção de alguns pontos isolados, como a questão do Brexit no Reino Unido ou algumas políticas conservadoras na Polônia e na Hungria, não havia nenhum debate sério sobre como impedir o avanço progressista e, consequentemente, levar o conservadorismo de volta a vida dos europeus.

A partir do fim da segunda guerra mundial, os conservadores foram perdendo a narrativa e a capacidade de impor suas ideias no continente. A realidade era um tanto decepcionante – honestidade é o combustível do PHVox – e eu não poderia apenas responder o que as pessoas queriam ouvir.

Quem poderia prever que o brasileiro seria hoje um dos povos que mais falam de política no mundo? O Brasil, nessa nova conjuntura geopolítica, tornou-se um dos bastiões do conservadorismo ocidental juntamente com os Estados Unidos e Reino Unido.

Contudo, o verão europeu deu lugar às flores da primavera; as Igrejas foram reabrindo, e após a fábula do lockdown, o choque de realidade veio sem atraso algum. A crise financeira, o desemprego e o sul latino contra o norte germânico, dentre outras consequências do vírus chinês, trouxeram de volta às cervejarias alemãs e aos cafés italianos a boa e velha discussão política. E não por acaso, quanto mais se falava de política, mais a palavra “conservadorismo” saía dos bares e da Internet e ganhava as ruas.

Na Itália, por exemplo, a coalizão liderada pelo conservador Matteo Salvini está alcançando níveis históricos de popularidade. E mais ainda: um partido político com o nome de ITALEXIT nasceu nas terras de Dante Alighieri. Como bem previmos em nosso programa Conexão Europa no YouTube, ainda no primeiro trimestre, sem futurologia, mas com análise dos fatos e estudo da História, realmente a saída da Itália da União Europeia tornou-se a “pauta do momento” nas discussões políticas da Velha Bota.

Na Polônia, mesmo que à duras penas, o conservador Andrzej Duda confirmou sua reeleição. Na França, o progressista Emmanuel Macron viu a sua pouca popularidade evaporar-se, e agora ele anda pelo país suplicando para terminar o mandato. Na Espanha o partido conservador e nacionalista Vox, apelidado pela extrema-imprensa de “Bolsovox”, vai ganhando consistência após resultados eleitorais surpreendentes na Andaluzia, tradicional curral eleitoral da esquerda.

Mas a surpresa vem mesmo da Alemanha. Sábado passado, 1º de agosto, milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra o uso de máscaras, contra a influência de George Soros através do financiamento de ONGs esquerdistas e, pasmem, contra a queridinha da mídia progressista: Angela Merkel. Há 6 meses, ou até menos, seria impensável um protesto deste tamanho em Berlim contra a atual chanceler alemã, personagem de uma narrativa midiática que uma aprovação recorde de seu governo por parte do povo. Isso nos mostra que ainda é preciso entender o tamanho da maioria silenciosa na Alemanha

Ainda é cedo para dizer se as máscaras alemãs serão os “vinte centavos” deles, porém algo está acontecendo e há indícios de que talvez seja mais que um sonho de uma noite de verão europeu. O inverno pode estar chegando aos palácios progressistas do velho continente.

 

Ivan Kleber é correspondente internacional do PHVox no Reino Unido.

Escrito por

Ivan Kleber Fonseca

7 Artigos

Correspondente internacional e apresentador do PHVox no Reino Unido.
Ver todos artigos

5 comentários em “E O CONSERVADORISMO NA EUROPA?”

  1. Na Alemanha vejo o progressismo muito impregnado entre a população, o trabalho vai ser árduo e demorado. Mas espero que esta amostra grátis de multiculturalismo, fomente um “retorno ao lar” da espiritualidade do povo alemão.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *